Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As birras da mãe

Venturas e desventuras de uma tripeira que rumou a sul. As histórias da filha, da mulher e da mãe.

Recuperação pós parto

primeiro trimestre (5).jpg

 

Para mim foi muuuuito bom estar grávida (tirando a parte deles quererem saltar cá para fora antes do tempo) e escusado será dizer que A M O os meus filhos, mas o "rasto" que por cá deixaram estava a dar cabo de mim e da minha auto-estima.

Ok, ok, todos sabemos que isto faz parte, que é normalíssimo, mas bolas, podemos tomar as rédeas disto ou não?!

Como sei que há muitas as mães (e não só) que se reveem nisto, resolvi partilhar aqui a minha experiência.

Ora, comecemos pelo início: nos últimos 3 anos passei por duas gravidezes tendo engordado cerca de 18 quilos em cada uma. Eu sei que pode não parecer muito (para o meu ginecologista foi imeeeenso), mas tendo em conta a minha altura, o facto de ter engordado cerca de 8 quilos quando deixei de fumar há quase 6 anos atrás (uhh-uhhhh) e terem sido pouco espaçadas (mal estava a recuperar de uma já me estava a meter noutra), digamos que o meu peso estava bem acima do meu habitual e sempre que me via ao espelho tinha alguma dificuldade em me reconhecer.

Por outro lado, como estou a amamentar o Mateus e pretendo fazê-lo, em exclusivo, até aos 6 meses (tal como fiz com a Madalena) sabia que não podia fazer nenhuma dieta daquelas malucas nem tomar nada por isso, depois de muito pesquisar sobre o assunto adotei, não uma dieta mas sim um estilo de vida saudável!

Talvez muitos de vós já tenham ouvido falar sobre a filosofia alimentar paleolítica mas para quem nunca contactou com o tema assim resumidamente é a forma mais natural possível de nos alimentarmos. Trocando por miúdos: come-se o que a natureza nos dá e abolimos todos os alimentos processados (nada de massas,açucares refinados, cereais, laticínios, etc). Pensem nos nossos antepassados que só comiam quando caçavam ou pescavam e colhiam o que a terra dava (na altura não havia agricultura). Não havia cá comer de três em três horas nem produtos light ou integrais. 

Complicado? Difícil? Talvez no início mas, como tudo na vida, é uma questão de mindset e disciplina.

Primeiro estranha-se e depois entranha-se. E quando se começa a ver a balança a descer e sobretudo o volume a desaparecer (sim mais que o peso é o volume que diminui), acreditem que vale a pena. Acabaram-se os inchados e o mau estar abdominal (yeahhhh).

No início é normal haver uma ressaca do açúcar, (para verem como é potente o efeito que essa "droga" tem sobre o nosso organismo) mas depois de alguns dias o organismo habitua-se e deixa de nos pedir. Aliás bochechar com o elixir passa a ser enjoativo, juro.

Come-se de tudo um pouco (carne, peixe, ovos, fruta, legumes) desde que não seja processado e se for biológico melhor. Vão-me dizer que é muito caro, pois é! Mas pensem que vão deixar de comprar muitas coisas que também são caras, por isso equilibram o orçamento.

Desta forma acabamos por fazer uma alimentação saudável compatível com a nossa genética (pensem em quantos intolerantes ao glúten e à lactose existem nos nossos dias. Acham que é coincidência?). O facto desta alimentação ser pobre em hidratos de carbono e os que se ingerem serem "do bem", acabamos por emagrecer sem passar fome. Acreditem, não há fome!

Bem mas no fundo, não quero dar-vos aqui nenhuma aula sobre este estilo de vida, queria apenas dizer-vos o quanto estou feliz com os resultados obtidos em apenas 3 meses e o quanto me sinto cheia de energia (vital para quem tem dois filhos tão pequenos).

Existem vários grupos relacionados com este assunto, nos quais aprendi tudo o que sei, mas se acharem pertinente poderei ir fazendo mais publicações acerca do tema - para isso comentem a deixar as vossas dúvidas que tentarei abordá-las noutras publicações. Podem também ir contando com umas receitinhas aqui da "je". Algumas adaptadas de receitas que encontro (de modo a substituir um ou outro ingrediente que não respeita os fundamentos que sigo) e outras da minha própria autoria.

Para já recomendaria que passassem a estar atentos aos rótulos, que sejam exigentes com aquilo que consomem - afinal  somos aquilo que comemos - e que bebam água, muita água (bebo cerca de 3 litros/dia).

Ah e nada temam que o moço tem engordado mais de um quilo por mês :)

 

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Inês Barros Cabral 07.03.2018 11:37

    AHAHAHAH se fosse da ruindade eu já estava num espeto :P
    Por cá não é que fizéssemos uma má alimentação (desde que a Madalena introduziu os sólidos passamos a ter mais cuidados com o que comemos, mas recorríamos muito a processados (polpas de tomate, massas, etc) e foi isso que melhoramos agora:)
    Muito obrigada pela força!
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.