Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As birras da mãe

Venturas e desventuras de uma tripeira que rumou a sul. As histórias da filha, da mulher e da mãe.

Hora de ponta

ponta.JPG

 

Como sabem (ou devem ter reparado pela falta de atividade aqui na página) na passada segunda feira regressei ao trabalho depois do nascimento do Mateus. 

Oportunamente (leia-se quando tiver tempo para me coçar) farei uma publicação toda catita (ou não, dependendo do espirito) sobre como nos temos organizado cá em casa com a revolução provocada pelo regresso da mãe ao trabalho depois de largos meses em casa e toda a ginástica necessária para manter os pratos todos a girar (imaginando que cada tarefa e cada rotina é um daqueles pratos que os malabaristas giram na ponta de um pau - sorry mas não sei o nome técnico da coisa) e como me tenho sentido com isto tudo mas a publicação de hoje, apesar de estar relacionada com a minha volta ao ativo (como se estivesse estado este tempo todo de perna traçada...), é mais um desabafo que outra coisa.

Hoje venho desatinar com o trânsito da hora de ponta e com o ajuntamento de anormalóides por metro quadrado que isso implica. Para vos ajudar a visualizar a tipologia dos indivíduos de que falo vou agrupando por categorias para facilitar a cena, vamos a isto?

  • os atadinhos - também conhecidos como  domingueiros , são aqueles que parece que não saem à rua desde o tempo dos Afonsinos e que resolveram vir descobrir o caminho terrestre para a Merdaleja bem na hora de maior tráfego e, para azar, na nossa frente. Vão avançando o mais devagar que a inércia automóvel lhes permite e por norma temos muita dificuldade em conseguir livrarmo-nos deles. Apenas arrancam quando a fila já avançou uns 300 metros e já se puseram uns 500 carros à frente. Uma praga que nos bons velhos tempos apenas dava o ar de sua graça no dia santo mas que agora se acha no direito de vir espalhar o terror passivo-agressivo a quem tem horário a cumprir. Um hórrrrrror;
  • os desenrascadinhos das dúzias - aqueles que gostam de ir saltintando de fila em fila consoante o andamento da coisa e que ficam nervosinhos sempre que "apostam no cavalo errado". Vão andando em ziguezague, perfazendo o dobro dos Kms que os demais mortais sem, com isso ,conseguir avançar mais rápido. São também o terror dos motociclistas e parecem desconhecer a existência de uma grande inovação automóvel - o pisca;
  • os ejaculadores precoces (desculpem mas não há outra forma de definir o grupo a seguir) - são aqueles que arrancam a fundo numa rotunda, cruzamento ou semáforo como se estivessem a fugir de um tsunami para se porem à frente dos outros mas, assim que o conseguem, vão-se "abaixo das canetas (daí a denominação) e passam a circular abaixo de zero Kms / hora... Nunca sei se hei-de rogar-lhes pragas ou ter pena pela rapidez com que perdem a forcinha :P;
  • os chico espertos - aqueles que acham que foram dotados de mais um neurónio que todos os outros à face da terra e que habitualmente vão na faixa de rodagem que anda mais até uns cms antes de mudarem abruptamente de direcção (sem recurso a pisca - também devem desconhecê-lo) e de se colocarem à má fila à nossa frente, depois de termos estado longos minutos em pára-arranca nessa faixa, obrigando-nos a travar a fundo para não lhes batermos... A estes tenho um prazer quase que mórbido em os "apertar" e ver o seu ar de superioridade esvair-se do rosto à medida que percebem que a faixa e zebra vão acabar e ou pedem com jeitinho ou vão ter de ir dar uma volta ao bilhar grande. AHAHAHAH! (topem a minha veia psicopata a vir ao de cima);
  • os mal-agradecidos - aqueles a quem facilitamos a vida e por quem atrasamos a marcha ou até paramos para deixar entrar na nossa frente mas, porque devem achar que todos lhes devem e ninguém lhes paga e que não fizemos mais que a nossa obrigação, além de não nos agradecerem nem se dignam a olhar na nossa direcção. Uns fofis! Normalmente fico a remoer-lhes no espírito com esperança que lhes nasça um furúnculo daqueles bem gordos no terceiro olho ou qualquer coisa do género, if you know what i mean (aqui é a minha veia macumbeira a falar mais alto);
  • os criançolas - são aqueles que fazem merda e não limpam. Todas as pessoas fazem asneiras na estrada (quem nunca?) ou porque não sabem ou porque não viram, mas a forma como lidam com isso faz toda a diferença. Há que assumir e ser humilde para saber reconhecer a borrada e pedir desculpa. Estes indivíduos têm a idade mental da minha filha mais velha, fazem a asneira e além de não pedirem desculpa, quando são chamados à atenção ainda fazem birra. Um mimo! Para birras já me chegam as lá de casa, "senhor que não viu que tinha um stop e além de não pedir desculpa ainda se põe a refilar e a fazer gestos rocambolescos";
  • os rotundas por fora - como o próprio nome indica, independentemente da direcção que querem tomar, fazem toda a rotunda por fora sem pisca (mais uns que não sabem o que é) porque têm medo de não conseguir sair a tempo, dificultando a entrada dos restantes automobilistas - são os empatafo#%& do asfalto (também não sei dizer isto de outra forma, perdoem o meu berço nortenho).

Bem acho que me fico por aqui, pois estão aqui os meus ódios de estimação dos ases dos volante mas poderia ficar aqui muito mais tempo a enumerar mais sub-tipos desta espécie de gente com falta de jeito ou sem civismo que se tem vindo a multiplicar exponencialmente ao longo dos tempos e que vem dificultar mais ainda a convivência na hora de ponta. Vou deixar os motards, os ciclistas, os condutores de veículos pesados e os taxistas para outra encarnação, porque já destilei veneno que chegue para esta e porque isso daria um testamento ainda mais longo que o Novo :P

E amanhã já é segunda... Quem, como eu, está mortinho por enfrentar o trânsito cheio de gente com o humor avinagrado de início de mais uma semana de labuta?

 

 

 

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.