Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As birras da mãe

Venturas e desventuras de uma tripeira que rumou a sul. As histórias da filha, da mulher e da mãe.

Como saber se é seguro tomar um determinado medicamento e amamentar?

Talvez seja a pergunta mais recorrente de quem me procura como CAM (conselheira de aleitamento materno).

Por um lado há um profissional de saúde,  habitualmente pouco informado (à excepção talvez dos obstetras e pediatras, talvez) do outro há uma bula que diz invariavelmente que "aquele fármaco não foi testado nem em grávidas ou mulheres em aleitamento" e por fim um farmacêutico que tem sempre uma teoria sobre o assunto... e no fim desta linha, há uma mulher à beira de um ataque de nervos sem saber em quem deve acreditar,  o que pode ou não tomar para poder amamentar.

Como paciente e mãe que  amamenta já me calhou um pouco de tudo... uma cirurgiã que me queria suturar um dedo " a seco" porque não poderia amamentar o meu filho depois de levar  uma infiltração com o anestésico local, lidocaína - só a deixei cozer-me, depois de a fazer ligar para o serviço de obstetrícia e tirar as suas dúvidas existenciais- então e as suturas das episiotomias, faziam-se sem lido???

Também já tive um pediatra que me disse que não podia tomar o antibiótico x, prescrito por uma obstetra a propósito de uma mastite, e muito menos amamentar daquela mama... E por fim  uma farmacêutico que resolveu questionar uma receita médica para tratar uma amigdalite, porque alegadamente não poderia amamentar... Ah e já me esquecia do técnico de RX que me proibiu de ser eu a segurar na minha filha de 5 meses na altura para ver o estado dos pulmões dela à conta de uma bronquiolite...

O que é que esta gente toda tem em comum? Está mal informada! E desinformam os outros...

Hoje queria dar a conhecer uma associação para a promoção cultural e cientifica da amamentação,  a  e-lactancia. Aqui encontram reunida toda a informação sobre a compatibilidade devidamente testada e comprovada dos fármacos com a amamentação. Basta fazer a pesquisa no site utilizando o principio ativo do fármaco ou da técnica imagiológica (sim permite ver por exemplo se podemos fazer RXs) a que temos de fazer e ele retorna-nos se é compatível ou não e no caso de não ser, devolve logo outras opções válidas para as mesmas situações médicas - este passo pode ser muito valioso no decorrer de uma consulta, por exemplo, em que o médico prescreve logo o compatível. 

Todas as informações clínicas deste site são fidedignas, produto dos devidos testes e pesquisas científicas, pelo que é 100% confiável. Infelizmente, nem todos os profissionais da área da saúde têm conhecimento dele e por isso, por omissão, muitas vezes indicam às mães que têm de suspender a amamentação durante um determinado período o que nem sempre é verdade. De facto, situações há em que não há mesmo volta a dar mas são muuuuuuito menos do que aquelas apregoadas por esse mundo fora... E assim evitam-se o stress materno, as guerras dos biberons e das tetinas que os petizes teimam em não aceitar assim do pé para a mão.

Vamos a alguns exemplos práticos mais comuns?

Augumentin - amoxicilina e ác. clavulânico

Brufen - ibuprofeno

Ben-u-ron - paracetamol

RX

ressonância magnética (aqui nestes casos devem validar qual o contraste utilizado e verificar ainda a sua compatibilidade)

 Prozac - fluoxetina

xanax - alprazolan

Ciprox- ciprofloxacina

A compatibilidades são demonstradas numa escala de três cores, bem ao jeito de um semáforo indicando se é seguro ou não e fornece dados tão precisos ao nível da farmacocinética obtidos pelos testes permitindo, que até o profissional mais céptico se renda e o passe a utilizar;)

Espero que seja útil e que sirva para minimizar possíveis estragos ou constrangimentos da desinformação.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.